Páginas

Pesquisar neste blog

18 de janeiro de 2011

Denúncia de exploração animal em Aparecida de Goiânia


Amigos leitores,

Hoje vamos compartilhar juntos uma experiência repulsiva.Entre tantas que já vimos.É verdade que todo relato são descritos com muita emoção e eu gosto de participar nossas alegrias e nossas vitórias,ainda que para alguns pareçam pequenas,para nós-é uma maratona vencida.Todo sucesso é consequencia de uma luta diária,por isso hoje vamos falar de mais uma dessas lutas,que tenho certeza,posteriormente mais um brado de vitória compartilhado aqui também.

Mas para o novo leitor,que chega nesta página agora , um convite à reflexão sobre como nossa sociedade trata animais como mercadorias e prisioneiros.

Tivemos o grande desprazer de conhecer um criador de fundo de quintal que mantém em péssimas condições de higiene e segurança,raças das mais diversas.Reformando seu belo e rico sobrado em aparecida de Goiânia,enquanto uma inocente pit bull fica acorrentada num banheiro com suas mamas flácidas e um olhar vazio, algumas dezenas de pinschers no outro lado do quintal,um casal de rotweillers,outro de pastores e sabe-se Deus mais o que poderíamos encontrar se não fossemos contidos pela imagem de Zulú.

Zulú foi encontrado em Novembro perambulando pela rua e o "comerciante de animais" identificando que se tratava de um animal lucrativo,o recolheu.Para azar de ambos,Zulú estava doente e foi definhando nos últimos meses já que não recebera nenhum tratamento,então,seria encaminhado ao Centro de Zoonozes.Claro! O dever deles é trabalho escravo,sem assistência e se fizer necessário algum gasto "extra", que seja condenado à morte.Respeito e zelo é uma palavra banida da vida desses comerciantes.

Não fomos ao local para retirar Zulú. Cejana que é participante do Projeto Hammã tinha ido para apurar a denúncia e orientar o "coisinha",quem sabe tratar do animal sem ter que retirá-lo.Quem sabe esse homem depois de uma longa e esclarecedora conversa se tornasse mais humano? Afinal é sabido entre todos a longa divída que estamos tentando pagar e então,recolher animal agora sem apadrinhamento sério,é fora de cogitação.

Mas as coisas não funcionam nesse ritmo de racionalidade. Liguei para Cejana quando ela ainda estava lá para saber do andamento.Ela me dizia poucas palavras,confusas,uma voz embargada mandando a mensagem para nosso coração.Todos nós ficamos aflitos.Telefonemas,pedidos de lar temporário,estratégias de remanejamento dos animais...a tristeza emitida na voz era uma tristeza conhecida por todos nós,não podíamos ficar alheios.Então seguimos no outro dia para a retirada de Zulú do inferno em que padecia.

Buscamos Zulú e o internamos imediatamente na esperança de que ele resista.O olhar de Zulú é um olhar que eu não conseguia traduzir de forma satisfatória.Era como se ele dissesse:"é o fim,não se preocupem,eu já aceitei.Já me condenaram há algum tempo".Não culpava nínguem e obedecia com carinho aos comandos de seu algoz. O corpo totalmente anorexo,infecção que já estampavam os olhos,cheios de escaras por todo corpo devido à magreza que não o amortecia mais no chão cheio de pó de cimento aonde dormia,crânio completamente sem massa muscular.

Sei que muitos aqui vão questionar sobre a lei 9605/98 art 32 que diz que maltratar animais é crime.Sabemos disso.Então caberia à esse senhor comerciante de vidas uma denúncia.Sabemos disso também.
Não temos conhecimento sobre a atuação da prefeitura em outros estados,sabemos como é aqui em Goiânia.Cega,lenta e falha.

Se fizermos uma denúncia e com muita sorte ela for apurada, esses animais serão retirados do local. E então,encaminhados ao centro de zoonozes de Goiânia,pioneiro em eutanásia de cães de grande porte e sem estrutura para receber animais pequenos. Devemos trocar a forma de maus tratos a fim de que se cumpra a lei? Visto que a mesma lei que protege e a mesma que dá fim a vida?

A teoria do estado diz que "todo poder emana do povo" e é o povo que dá poderes aos seus representantes de governar.Referindo-se à Goiânia,o povo não sabe sequer que existe a lei de maus tratos à animais ou qual é o papel da Dema (delegacia municipal do meio ambiente),que existem grupos de proteção à animais ou no máximo quando sabem,tem medo de denunciar.Isso contribui para uma legislação que não muda,não atua e não protege.E nós ainda pagamos seus salários para isso!

Penso sobre o caso de Zulú,analiso,questiono,busco respostas tão difíceis de alcançar. Canto uma música de Renato Russo:

"Tem gente que está do mesmo lado que você / mas deveria estar do lado de lá"... 

Então me refúgio em quem "eu sinto" do lado de cá, conto a história de Zulú ao grupo e a reação é a mesma entre todos,o silêncio predominante da dor,da impotência, todos nós hoje tínhamos olhar e voz apagados, tudo era tristeza.

Sabem,é ruim ver um animal na rua,sofremos também.Mas ele está abandonado.Não tem casa,não tem dono.O encontramos e a pergunta:quem abandonou?Nunca saberemos e talvez encontre alguma chance,ou nós possamos vê-lo.Um animal torturado silenciosamente debaixo do teto e do olhar de um racional,vítima de abandono afetivo,confinado,que vai morrer quietinho,silencioso,aos poucos,sem falar,sem gritar,sem vestígios,sem suspeitas, sem denúncias,e nunca nínguem vai saber o quão torturante foi isso. Nínguem vai ser condenado por isso.

Queridos,escrevo também para não simpatizantes da causa.Penso em suas opiniões práticas, na teoria formada de um mundo prático,onde o animal deve servir ao homem e assim ser subjugado.

Mas essa teoria devia ser destruída, pois assim como do nada, nada pode sair, assim também uma "força cega", sem inteligência, sem raciocínio, sem consciência e, portanto, sem ação,sem emoção, será incapaz de engajar um "ser" que revela poder, vontade, inteligência, raciocínio.Qualquer inteligência desprovida de emoção,é uma inteligência flácida e desnecessária.

Amigos, lembrem-se sempre que vierem aqui,que esse trabalho só é possível se houver a sua ajuda, não empurre para o próximo, você é responsável por suas emoções,e se o nosso trabalho faz seu coração se alegrar,sustente essa alegria,partilhe conosco.

O Projeto Hammã tem várias formas de ajuda,como nosso bazar,voluntariado,doação de remédios,ração,lar transitório,doação financeira,apadrinhamento,etc. Visite nossa sede social,entre em contato com um de nossos associados. Seja um participante da vida desses animais.Esses animais precisam da sua ação,eles são vítimas do silêncio e da omissão. Veja os flyers abaixo e se encaixe numa das formas de ajuda. Zulú e outros lhe serão gratos.

Finalizo com outro pensamento bem apropriado de Renato Russo:
"Se o mundo é mesmo parecido com que vejo,prefiro acreditar no mundo do meu jeito."

Contamos com a colaboração de todos.Verdade!

Obrigada, fiquem com Deus.

Meibel 
Projeto Hammã

3 comentários:

Daniela Lima disse...

Meibel,

Infelizmente, não só em Goiânia, mas no Brasil de maneira geral, não há a cultura do respeito aos animais. Não são vistos como vidas, mas sim como brinquedos, objetos de lazer por vezes lucrativo enquanto saudável. Não sentem dor, não adoecem, ou seja, não são vidas! Essa é a mentalidade da maioria das pessoas que neste país vivem. Se um animal adoece, a morte é mais rentável, matamos e conseguimos outro pra ocupar seu lugar... vejo isso e repudio desde que era criança.
Tenho animais de raça em casa e animais sem raça também, já cansei de ouvir de pessoas próximas que deveria colocar pra cruzar e vender os filhotes, essa é a mentalidade... "você gasta tanto com seus cães, deveria vender filhotes pra ter algum retorno", como se não tivesse sido escolha minha tê-los, como se o dinheiro que gasto com todos eles não fosse muito bem gasto, são criaturas que amo do fundo do meu coraçõe e me dão muito mais alegrias que a maioria dos seres humanos que se dizem racionais...
Fico me perguntando onde está a razão, onde está a caridade e o amor ao próximo... o próximo não é só o humano, são todas as formas de vida que precisam ser respeitadas e cultivadas. As pessoas se esquecem desse pequeno detalhe que faz tanta diferença.

Projeto Hammã disse...

Um detalhe que pode passar despercebido neste texto,mas que vale à pena atentar,é o fato de que o belo sobrado que está sendo reformado com o amparo de uma empresa de engenharia,vem do dinheiro que os cães fornecem.Daí o tratamento não seria nem favor,nem amor,e sim direito deles!Se assim esse "empregador" fosse ao menos JUSTO.

kel disse...

se ficar mais "humanos" aí sim que a desgraça rola solta. O ser humano é uma raça maldita, e todos nós deveríamos morrer pra deixar espaço apenas pros irracionais povoarem o mundo, pois eles sim merecem desfrutar das coisas boas que a natureza pode oferecer. O ser humano é o vírus do mundo, a chagas que veio destruir bichinhos inocentes como esse. todos nós deveríamos ter nojo de ser quem somos. todas nossas ações são autodirigidas!!! tenho vergonha de ser um ser humano!!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...